Arquivo da tag: menahan street band

No Time for Dreaming (2011) – The Instrumentals by Menahan Street Band

Padrão

1.The world (is going up in flames)
2.The telephone song
3.Golden rule
4.I believe in your love
5.Trouble in the land
6.Lovin’ you, baby
7.No time for dreaming
8.How long
9.In you (I found a love)
10.Why is it so hard
11.Since our last goobye
12.Heartaches and pain

Um dos grandes nomes do Soul Music atual, Charles Bradley, lançou juntamente com a banda Menahn Street Band  um belo disco este ano – No Time for Dreaming. O disco foi lançado em duas versões: uma versão, digamos, normal – com Bradley soltando a voz, e uma versão só instrumental. Vale a pena conferir as duas!

Download: Clique aqui

Charles Bradley soltando a voz:

  Download: Clique aqui

Anúncios

Make The Road By Walking (2008) – Menahan Street Band

Padrão

make the road by walking

01. Make the Road By Walking

02. Tired of Fighting

03. Home Again!

04. Montego Sunset

05. Karina

06. The Traitor

07. The Contender

08. Birds

09. Esma

10. Going the Distance

Formado a partir da junção de músicos do Antibalas Afrobeat Orchestra, El Michels Affair, Budos Band e The Dap-Kings, o Menahan Street Band reúne o que de melhor poderia se esperar de um disco de afrobeat. A banda do Brooklyn não se prende, porém, à abençoada forma que Fela Kuti espalhou mundo afora. A influência de estilos como o reggae e o hip-hop é marcante, principalmente nas linhas de baixo e levadas de bateria, que fazem base (bem sólida) pros sopros hipnóticos em profusão. Guitarra timbrada ora no melhor estilo funk/afrobeat, de ataque estridente e certeiro, ora com “aura” de violão, harmoniosa que só, além de um picking de cordas atarrachadas no lugar “errado” da ponte, o que soa mais ou menos como uma harpa verde (!?). A interposição entre as sonoridades de piano e órgão viaja entre o ragtime e o soul, ora rítmico até o caroço, ora servindo de paisagem inebriante.

Make The Road By Walking foi gravado num apartamento (na tal Menahan St.), o que torna a coisa toda mais impressionante, pois o disco remete a lugares amplos e abertos (um dia de sol, eu arriscaria dizer), não um quarto.

Escuta aí, então:  Clique aqui