Arquivo diário: março 2, 2012

The Magic of Juju (1967) – Archie Sheep

Padrão

1. The Magic of Juju
2.  You’re What This Is Day Is All Aboute
3.  Shazam
4.  Sorry ‘bout Tath

The Magic of Juju do saxofonista norte-americano Archie Sheep expanta a partir do play que você dá. São quase 20 minutos de linhas fodidas de avante-garde, estilo de jazz onde o mais conhecido representante é John Coltrane e música africana, tocadas na primeira faixa por instrumentos percurssivos. Essa é a música atingida pelo saxofonista. A música de Sheep tornou-se esse sincretismo devido à sua proximidade com os movimentos de emancipação negra ocorridas nas décadas de 50, 60 e 70 nos Estados Unidos, leituras de Malcolm X, suas raízes africanas e o próprio rumo que o jazz estava tomando no período, de se misturar com diversos ritmos mundias, principalmente africanos e  orientais, vide Yussef Lateef, Fela Kuti, Mulatu Astakte e o próprio John Coltrane.

Com uma discografia extensa, a partir da década de 70 experimentou outros ritmos como blues, gravou alguns especiais de outros artistas e trabalhou como professor da “University of Massachusetts – Amherst”. As matérias que lecionava eram sobre a música afro-americana e também teatro. Antes de se dedicar integralmente à música, o saxofonista ingressou na faculdade de teatro, porém sem terminá-la. Depois da desistência começou a trabalhar para a Impulse Records e daí iniciou suas parcerias e aproximação com o universo do jazz, tendo particpando das gravações do álbum A Love Supreme, pepita de  Coltrane, lançado no ano de 1964.
Discaço!