Calavera (2010) – Guizado

Padrão

01 – Amplidão
02 – Asfalto Quente
03 – Girando
04 – A Emanação dos Sonhos
05 – Mais Além
06 – Role Beleza
07 – O Marisco
08 – Skate Phaser
09 – Calavera
10 – Vendaval
11 – Wow

Release Myspace:

Toda a aura festiva e o colorido que envolve a celebração mexicana de seus antepassados permeia o novo álbum de Guizado, não por acaso, batizado de Calavera – caveira em espanhol. Num plano imaginário, o que se propõe é preencher as ruas da cidade com música e sonho, a fim de redefinir o cotidiano. Nesse sentido, o trompetista, que lança seu segundo trabalho em estúdio, exalta a cidade e a teia de relações que a ela imprime sentido.
Musicalmente falando, Calavera continua exposto às mesmas influencias e conceitos do trabalho anterior (Punx), ou seja, aquilo que define a identidade do Guizado: o rock que se apropria de recursos da música eletrônica e da liberdade de improvisação do Jazz. Então, a diferença entre os dois registros sonoros está no tempo dedicado a cada obra. No segundo disco, gravado nos estúdios da Trama, Guilherme conta que pode imprimir mais informações que aos poucos foi descobrindo, relembrando e pesquisando. “No primeiro álbum, o desafio foi reproduzir em estúdio a energia de apresentações ao vivo”.
As faixas de Calavera são compostas de arranjos que passeiam por diversas fontes. Guilherme buscou estruturas melódicas orientais dos Bálcãs do leste europeu, dos Mouros e dos hispânicos. O hip-hop, o tecnobrega e, claro, o rock estão presentes. Arranjos orquestrais de Henri Mancini, Herb Albert e Tihuana Brass também foram referencias. Contudo, o principal traço de diferença deste trabalho é, sem dúvida, a voz. A cena alternativa paulistana conheceu o Guizado através do trompete, sem incursões vocais; apenas texturas e colagens davam colorido ao som. Agora, a voz chega como um instrumento a mais no grupo. “Tivemos o cuidado de tratar a voz de diversas maneiras, usando muitos efeitos e sobreposições para criar climas e atmosferas onde a voz ficasse quase que como uma névoa em meio à massa sonora instrumental”.
As faixas “Skatephaser” e “Girando” contam com Céu e Karina Buhr, respectivamente. “Emanação dos sonhos” é uma composição em parceria com Maurício Takara e ao engenheiro de som Bernardo Pacheco foi dada a co-produção das faixas “Calavera” e “Girando”. Isso porque a tecnologia presente no estúdio foi tratada com uma ferramenta a mais no processo de criação.
Calavera começou de forma singular. O trompetista passava tardes sozinho, elaborando as bases eletrônicas, samples, gravando sintetizadores e editando tudo para depois, dar forma, ainda que embrionária, às músicas. O passo seguinte foi gravar os instrumentos. Muitas músicas acabaram nascendo durante o processo de gravação.
O resultado celebra a vida e a criação, tanto nas letras como nos arranjos instrumentais de todo o disco. “O ritmo forte das batidas nos acorda para a realidade do dia a dia, o pé no chão que é preciso para se manter em sintonia com a vida que pulsa e nos cobra atitudes”

A Trama disponibiliza gratuitamente seus atuais lançamentos. Você pode fazer o download por lá e ajudar nesse projeto inovador da gravadora, conseguindo patrocínios para o artista e gerando uma renda pra manutenção de seu trabalho.

Download (Trama Virtual) : Clique aqui

Calavera:

Wow:

Anúncios

Uma resposta »

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s